29.9.09

LasPuppY's

Meses e meses sem se ver. Sem conversar direito. Meu coração já não cabe na caixa torácica, encheu-se de saudade e de dor. Eu trocaria qualquer coisa por mais alguns anos da gente juntas. Por nossas risadas, por nossos passeios e dias sem fim. Por todos aqueles momentos que a gente sempre pensou que seriam pra sempre.

Agora a chuva lá fora tá caindo e me lembrando que entre a gente existe a distância. Mas eu sei que o sol vai voltar qualquer dia desses, assim como eu. E, então, poderemos imitar as fotos das outras pessoas, jogar dominó até de madrugada, procurar pessoas no orkut até amanhecer, falar besteiras, comer bolacha, caminhar pelas ruas da nossa subdesenvolvida e pacífica cidade, cantar, se abraçar e celebrar essa nossa amizade tão forte, tão plena, tão completa.

Eu amo vocês com todo o meu coração.

26.9.09

Obrigada

Ontem conversei com o pai da deusa da chuva. Uma borboleta rosa insistiu em me chamar pra perto dele, mas eu não pude pegar o inseto metálico. No entanto, os 20 centavos que eu pretendia gastar em um chiclete, saíram do meu bolso, e a mão quente dele as acolheu com cuidado. Ele me fitou com atenção e fez perguntas. Acertou o meu gostar de ler, por ter escolhido um marca-página como preferência. Quando contei do meu sonho com música, ele sorriu, e disse que eu era uma garota muito interessante, dessas bem difíceis de se encontrar. Me contou das viagens, do tempo, de maestros e de escolhas. Disse que eu tinha muito que aprender, mas que também teriam o que aprender comigo.
-
Eu penso que as pessoas ficam lisonjeadas com as coisas erradas. Outro dia eu estava caminhando e duas mulheres, que estavam na minha frente, conversavam. Uma delas falou que a outra estava mais magra, e esta respondeu um muito obrigada cheio de orgulho. Essa semana aconteceu algo parecido comigo, mas a minha resposta não foi um muito obrigada imbecil, e sim um dar de ombros. Toda essa coisa de estética e bonito-pra-sociedade muitas vezes me parece algo muito idiota.

Eu me sinto muito bem quando lembro que fiquei encantada ao extremo com o elogio de ontem. Às vezes eu paro e penso que eu devo ser alguém muito errado por valorizar esse tipo de coisa, por preferir música clássica, por gostar de ler, por me esforçar pra aprender tudo que eu posso, por gostar do sol e do vento e do céu. Eu paro e penso muito sobre isso. Mas eu sempre acabou concluindo que, definitivamente, a errada nessa história toda não sou eu.